Como Pata de Dinossauro Virou Asa de Galinha

on quinta-feira, 18 de junho de 2009

Espécie de 160 milhões de anos ajuda a resolver mistério sobre dedos. Membro de animal mostra elo entre anatomia de dinos e descendentes.

Gerações de paleontólogos quebraram a cabeça tentando entender como os dedos das patas da frente dos dinossauros viraram os ossinhos hoje ocultos nas asas das aves -- uma conta anatômica que não parecia fechar. Um fóssil recém-descoberto na China vem em socorro deles, indicando que a incongruência é apenas aparente e, quem sabe, removendo um dos últimos obstáculos para a hipótese de que os animais penosos de hoje são apenas versões repaginadas dos antigos dinos.


O protagonista foi batizado de Limusaurus inextricabilis e é um dinossauro relativamente pequeno (de apenas 1,7 m de comprimento), herbívoro (embora quase todos os seus parentes fossem comedores de carne convictos) e com patinhas da frente que chegam perto de ser meros tocos.

O que esses toquinhos de "mão" escondem, no entanto, é um bocado valioso, argumenta a equipe liderada por Xing Xu, respeitado pesquisador do Instituto de Paleontologia de Vertebrados e Paleoantropologia de Pequim. Junto com colegas chineses, americanos e mexicanos, Xu assina a descrição do dino na "Nature". O L. inextricabilis tem um minúsculo polegar -- justamente o polegar que estava faltando para construir de vez a ponte anatômica entre dinossauros e aves.

Se ficou obscuro, calma -- a coisa não tem nada de sobrenatural. O que acontece é que, debaixo das penas e dos músculos das asas, as aves de hoje possuem versões reduzidas de três dedos. Os cientistas costumam numerar os dedos de qualquer vertebrado terrestre contando a partir do polegar, que é o número 1 (mais ou menos como alguém olhando a própria mão direita). No caso, as aves ainda têm, em suas asas, os dedos 2, 3 e 4 -- os nossos indicador, médio e anular.

Até aí tudo bem -- se não fosse pelo fato incômodo de que as formas mais próximas das aves entre os dinossauros do grupo dos chamados terópodes -- criaturas como o famigerado Velociraptor e outros -- parecem ter os dedos 1, 2 e 3, e não os dedos 2, 3 e 4. Usando apenas a anatomia dos fósseis, era um bocado difícil explicar como a configuração de dedos das patas dos dinos desembocou na dos dedos nas asas das aves.

Daí a importância do L. inextricabilis. Os espécimes do bicho, que vieram do fundo de uma antiga lagoa (daí seu nome científico, que significa algo como "lagarto da lagoa impossível de ser salvo"), parecem ser o registro de uma fase da evolução dos dinos terópodes de uma época em que o dedo 1 (o polegar) estava quase sumindo e o dedo seguinte, o 2, estava assumindo algo das características dele.

O L. inextricabilis não é um ancestral direto das aves. No entanto, o interessante é que ele pertence a um grupo primitivo, mas proximamente aparentado à subdivisão dos terópodes que desembocaria nas aves. Isso indica que a anatomia dele traz dados importantes para entender a transição posterior de patas para asas.

Para Xu e companhia, eis, portanto, o que aconteceu: os terópodes que deram origem às aves, assim como o L. inextricabilis, reduziram seu dedo 1, até que ele sumisse. O novo fóssil também mostra que os ossos da "mão" mais próximos do "braço" mantiveram as características típicas dos dedos 2, 3 e 4, enquanto os ossos mais próximos da ponta dos dedos passaram por uma variação morfológica que os deixou mais parecidos com os dedos 1, 2 e 3. A diferença entre aves e dinos nesse quesito, portanto, seria apenas aparente, e não real.

Os pesquisadores lembram que experimentos com embriões de galinha mostraram um fenômeno semelhante. O futuro pintinho começa seu desenvolvimento com todos os cinco dedinhos e acaba ficando só com os 2, 3 e 4 -- mas o padrão de ativação de genes nesses dedos indica que eles assumem parte das características dos dedos imediatamente precedentes.



Fonte: G1

Dia Mundial do Meio Ambiente

on quinta-feira, 4 de junho de 2009

Recados para Orkut
O Dia Mundial do Meio Ambiente é comemorado em 5 de Junho. A data foi recomendada pela Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente, realizada em 1972, em Estocolmo, na Suécia. Por meio do decreto 86.028, de 27 de maio de 1981, o governo brasileiro também decretou no território nacional a Semana Nacional do Meio Ambiente.

Paleotocas no Sul do Brasil

on sábado, 30 de maio de 2009

Cerca de 60 túneis intactos escavados por tatus gigantes foram descobertos em solo brasileiro pelo paleontólogo Francisco Buchmann, professor do campus do Litoral da Unesp - Universidade Estadual Paulista, em São Vicente. Esses gigantes, extintos há 10 mil anos, pareciam-se muito com o tatu atual, com a diferença de atingirem um metro de altura e até 2 metros de largura. Os túneis - chamados de paleotocas - concentram-se na região sul do país e podem se estender por centenas de metros.

De acordo com o pesquisador, esses animais começaram a evoluir há 60 milhões de anos para ocupar o vazio deixado pela extinção dos dinossauros. Eles viveram na América do Sul entre 10 milhões e 10 mil anos atrás aproximadamente e desapareceram totalmente devido a mudanças climáticas. 'O índio brasileiro conviveu com esses tatus gigantes', diz Buchmann. 'Em Santa Catarina, índios e outros animais usavam as tocas como casa', completa o paleontólogo.

Ainda não se sabe exatamente que espécie de tatu gigante foi responsável pela construção das galerias subterrâneas no sul do Brasil. Até agora, as evidências sugerem que o escavador foi um tatu dos gêneros extintos Propraopus ou Eutatus. As únicas pistas são as marcas de carapaça, cotovelos, pêlos e principalmente garras impressas nas paredes. Buchmann registra essas marcas em silicone para depois tentar comparar com fósseis em museus. Mas, com as paleotocas, os pesquisadores podem estudar quais eram os hábitos dos tatus gigantes - mais do que é possível saber apenas com a análise de seus ossos fossilizados.

Proposta para que um dos túneis encontrados - a paleotoca de Cristal, no Rio Grande do Sul - seja preservado como patrimônio natural da humanidade foi aprovada pela Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e Paleobiológicos em 2008. Buchmann e sua equipe trabalham agora na elaboração do texto que permitirá o registro definitivo do sítio geológico e a sua conservação.

Fontes: Globo Rural

Descoberto o Fóssil da Maior Cobra do Mundo

on quinta-feira, 28 de maio de 2009

Uma equipe de cientistas encontrou em uma mina da Colômbia o fóssil que pode ter sido da maior cobra do mundo. O fóssil, de 60 milhões de anos, tem 13 metros de comprimento e pesa mais de uma tonelada, segundo o Instituto Smithsonian de Pesquisas Tropicais, sediado no Panamá.

Os pesquisadores encontraram os ossos do vertebrado em uma mina de carvão de Cerrejón, na Guajira colombiana (nordeste), uma área que há 60 milhões de anos era uma floresta tropical chuvosa.

O pesquisador Carlos Jaramillo, do Smithsonian, e Jonathan Bloch, curador de Paleontologia de Vertebrados do Museu de História Natural da Universidade da Flórida, coorganizaram diferentes escavações na Colômbia, que desenterraram os restos fósseis de uma nova espécie, chamada de Titanoboa cerrejonensis".

Durante meses, o grupo encontrou diferentes tipos de fósseis, até chegar à conclusão de que se tratava de uma serpente.

"A descoberta da Titanoboa põe à prova nossos conhecimentos sobre os climas no passado e nos ambientes, assim como as limitações biológicas sobre a evolução das cobras gigantes", disse Jason Head, pesquisador associado do Museu Nacional de História Natural dos Estados Unidos. "Isso mostra toda a informação que se pode conseguir sobre a história da Terra, recorrendo ao registro de um réptil em seu estado fóssil", completou Head.

“Essa coisa pesa mais que um búfalo e é mais comprida que um ônibus urbano”, afirmou o especialista em cobras do Museu de História Natural de Nova York, Jack Conrad. Segundo ele, o monstro poderia “comer facilmente algo do tamanho de uma vaca e um ser humano estaria morto num instante”.

Para calcular o tamanho e o peso do ofídio, Head e David Polly, professor associado de Geociências na Universidade de Indiana, basearam seus cálculos no raio entre o tamanho das vértebras e o tamanho das cobras existentes hoje. Os cientistas também encontraram ossos fossilizados de crocodilos e tartarugas, presas desse tipo de serpente naquela época.

Para o principal autor da pesquisa, o paleontólogo Jason Head, da Universidade de Toronto Missisauga, a pessoa que se deparasse com este animal estaria em apuros. “Se ela tentasse entrar no meu escritório, teria sérias dificuldades em passar pela porta”, afirmou. O estudo foi publicado na edição desta quinta-feira da revista científica Nature.

“Embora seja uma parente das jiboias modernas, ela vivia mais como uma sucuri, e passava a maior parte do tempo na água”, explicou Head. A cobra também era capaz de rastejar pela terra e de nadar.

O tamanho da Titanoboa indica que o animal viveu em um ambiente com temperatura média anual era de 30ºC e 34ºC.

Até hoje, a maior serpente do mundo tinha cerca de 10 metros, e a mais pesada era uma píton de 183 kg, de acordo com o Smithsonian.


Fontes: Jornal Dia a Dia, O Imparcial

Diário de Bordo - Museu Geológico da Bahia - SSA

on sexta-feira, 22 de maio de 2009

Diário de Bordo – Salvador-BA

Visita ao Museu Geológico da Bah
ia
Equipe: Alexandre Rodrigues, Cleberson Sampaio, Elienai Oliveira, Moacir Oliveira, Rosana Souza



No dia 30 de abril de 2009 nós da turma do IV Semestre, noturno, do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), juntamente com a professora de paleontologia, Rita Barreto, e o monitor Leomir, partimos aproximadamente às 04h30min da manhã em direção a Salvador-BA para fazermos uma visita ao Museu Geológico da Bahia.





Chegamos aproximadamente às
09h30min à capital e fomos direto ao Museu, que é um centro de pesquisa e difusão do patrimônio geológico da Bahia, e expõe as pedras, rochas e riquezas minerais presentes em solo baiano, brasileiro e mundial.

Fomos recebidos pelo professor de Geologia, Sr. Francisco Duarte, o qual nos guiou e demonstrou seu conhecimento a respeito de cada área do museu.





Começamos conhecendo o muro ornamentado por Juarez Paraíso com rochas e minerais, o qual representa a origem da vida.










Logo após fomos para a sala de cinema onde assistimos um filme relacionado aos fósseis.













Paramos no salão de rochas ornamentais e seguimos em direção ao salão de fósseis onde ele explanou um pouco mais sobre o assunto.








No salão dos fósseis e
le nos deu uma aula sobre a origem da vida na Terra com base no estudo dos fósseis. Falando de cada Éon >> Era >> Período, e seus respectivos eventos. Foi uma verdadeira viagem no tempo geológico.










Dentre os exemplares e réplicas e fósseis nós vimos: madeira fossilizada,












estromatólito,












peixe fossilizado,














vértebra de uma baleia primitiva. Esses fósseis têm grande importância na datação de rochas e origem da vida na Terra.












Vimos também a réplica de um Mastodonte,













e a reconstituição do seu esqueleto.














Logo após visitamos outras salas como a que contém uma exposição sobre a indústria do petróleo
no Brasil. Essa sala possui explicações a história da indústria petrolífera no Brasil, além de amostras em miniaturas das plataformas, dos produtos produzidos utilizados pelos petroleiros.













A que possui a ilustração do Sistema Solar
e













a réplica do meteorito Bendegó; o maior meteorito brasileiro. Encontrado em 1784, no município baiano
de Monte Santo e classificado como o 11º mais importante do mundo.










Passamos também pela sala dos Cristais onde encontram-se muitas gemas e pedras semipreciosas dentre outras. Inclusive as réplicas dos 40 maiores diamantes do mundo. E uma outra sala que está reservada para a coleção Otto Billian.









Terminada a loooonga visita, aproximadamente ao meio dia, depois de uma pausa para a foto, fomos almoçar....










e... depois de um tempinho de descanso, pegamos a estrada de volta à nossa querida Jequicity.





Clique nas imagens para ampliar.

Cientistas Desvendam Fóssil de Darwinius Masillae

on quarta-feira, 20 de maio de 2009

Um fóssil de um animal que viveu há 47 milhões de anos, fora encontrado há alguns anos na Alemanha. Agora, o fóssil foi analisado com mais profundidade, determinando as características de um primata que conduziu ao ramo evolutivo de macacos e seres humanos. Isso não significa dizer que o fóssil era de um macaco, mas de um ancestral comum a macacos e humanos. Descrito como o “mais completo fóssil primata já descoberto”, o fóssil mostra o que seria uma fêmea jovem, do tamanho similar ao de um pequeno macaco. Somente o membro inferior esquerdo está faltando, mas a preservação é tão notável que pode-se ver os vestígios de pele e flexibilidade do corpo.

A última refeição do animal, de frutas e folhas, permaneceram na cavidade do estômago, demonstrando que morreu bruscamente, e segundo a Ciência, a boa conservação do corpo mostra que a fossilização foi relativamente rápida – já que foi extraída de uma rocha metamórfica, proveniente da ação de temperatura e pressão sobre argila, na pedreira perto de Darmstadt, Alemanha – indica que a causa da morte pode ter sido por afogamento no lago vulcânico em Messel, mas não se tem certeza. Exames radiológicos e de tomografia computadorizada mostraram que o animal tinha um pulso esquerdo fraturado.

O fóssil foi descoberto por um colecionador privado que dividiu as ossadas em duas metades. Uma foi restaurada e vendida como se estivesse completa, acabando por ser adquirida por um museu privado em Wyoming. Em 2000, descobriu-se que era uma fraude. A outra metade, que era maior, foi comprada há dois anos pelo museu de Oslo, na Noruega.

“O meu coração começou a bater muito depressa”, disse aos jornalistas Jorn Hurum, referindo-se à compra do fóssil. “Eu sabia que o vendedor tinha nas mãos um acontecimento mundial. Não consegui dormir durante duas noites”, explicou o investigador do Museu de Oslo que esteve à frente da investigação, que foi hoje publicada na revista Public Library of Science. Quando o grupo começou a estudar o fóssil, rapidamente chegaram à conclusão que era a parte que faltava à metade já conhecida.

A pesquisa sobre sua importância foi liderada pelo cientista Jorn Hurum, do Museu de História Natural de Oslo, Noruega. Hurum diz que o fóssil representa “a coisa mais próxima que temos de um ancestral” e descreveu a descoberta como “um sonho que se tornou realidade”. Um dos pesquisadores que analisou Ida (como o fóssil foi batizado), Jenz Franzen, disse o fóssil tem traços que guardam “grande semelhança conosco”, como unhas em vez de garras e o polegar em uma posição que permite agarrar coisas com a mão, como o homem e outros primatas.

Ainda assim, segundo ele, o fóssil não parece ser um ancestral direto do homem, mas sim estaria “mais para uma tia do que uma avó”.

Os investigadores resolveram chamar a nova espécie de Darwinius masillae, em honra aos 200 anos do nascimento do evolucionista Charles Darwin.

Apesar de tudo, a descoberta está a ser um êxito. Foi mostrada em Nova Iorque no Museu de História Natural pelo presidente da cidade, Michael Bloomberg, e a seguir volta para Oslo. “São necessários um ou dois ícones para arrastar as pessoas para o museu. Isto é a nossa Mona Lisa e vai ser a nossa Mona Lisa nos próximos cem anos”, concluiu Jorn Hurum.


Fontes: Portal EcoDebate, Quarta República, Público

Extinções

on terça-feira, 19 de maio de 2009

A idéia de que uma espécie inteira de criaturas pudesse desaparecer para sempre não era aceita pela maioria das pessoas até meados do século XVIII. Entretanto, fósseis “inexplicáveis” continuavam se avolumando, enquanto os locais mais recônditos da Terra iam sendo explorados e não revelavam a presença de nenhuma destas criaturas ainda vivas. Alguns eram animais tão grandes q era impossível que pudessem ainda estar vivos em algum lugar sem serem percebidos pelo olhar humano. Assim sendo, tinham de estar EXTINTOS.

Mas que tipos de fenômenos podem fazer com que uma espécie desapareça totalmente? Como explicar a extinção conjunta de predadores e presas? Por que algumas espécies se extinguem e outras não? Por que algumas extinções afetam às vezes poucas espécies e outras podem exterminar mais da metade da vida do Planeta?

Bom, podemos explicar essa última questão de acordo com duas diferentes escalas de abordagem, que são:

-->
Extinções de Menor Escala


* Pseudo-Extinção ou Extinção Filética: segundo essa abordagem, uma das causas de extinção é justamente a Evolução. Neste tipo de processo, os descendentes de uma população original de modificam ao ponto de serem considerados como uma nova espécie e a espécie original como extinta.


* Extinções Decorrentes das Interações Entre os Organismos Vivos: existem várias situações teóricas em que a simples interação ente organismos, no dia-a-dia e ao longo dos séculos e milênios, poderia levar à extinção de uma ou mais espécies, sem deixar descendentes. Um exemplo seria o surgimento de um predador eficiente que não dependesse de uma determinada presa para se alimentar; como o Homo sapiens que desde o seu surgimento, teria levado inúmeras espécies à extinção. Ou o surgimento de uma espécie mais eficiente que passasse a competir com outra por um mesmo nicho.


--> Extinções em Larga Escala ou Extinções em Massa


* Em alguns momentos da Terra surgiram situações em que uma significativa porção de tudo o que era vivo no planeta foi totalmente eliminada. Estes episódios são chamados de extinções em massa, sendo o mais famoso deles aquele que envolve o fim dos dinossauros. O rol dos agentes potenciais que podem, sozinhos ou combinados, terem sido os responsáveis por estas extinções são: deriva continental, tectônica, vulcanismo, impacto de meteoros e radiações cósmicas.


Em resumo, esta combinação de fatores tectônicos e climáticos teria afetado drasticamente tanto a fauna quanto a flora existentes, levando à extinção uma significativa parcela das espécies existentes.

Foca mais antiga era bicho terrestre...

on sexta-feira, 24 de abril de 2009

... indica fóssil achado no Canadá.

Animal com 1,1 m viveu no Ártico há mais de 20 milhões de anos. Hábitos provavelmente eram parecidos com os das lontras atuais.


É mais um daqueles fósseis que todo estudioso da evolução pediu a Deus: uma foca com uns 20 milhões de anos que não tem nadadeiras, mas patas. Com pouco mais de 1 m de comprimento, a Puijila darwini vivia onde hoje é a localidade de Nunavut, no Ártico canadense, e é o mais primitivo membro de seu grupo de mamíferos, trazendo pistas importantes sobre a origem das focas.

O bicho foi descrito por Natalia Rybczynski, do Museu Canadense de Natureza, e mais dois colegas. O pequeno carnívoro (cujo nome de espécie homenageia o naturalista Charles Darwin e cujo nome de gênero, Puijila, quer dizer "pequeno mamífero marinho" na língua indígena inuktikut) possuía uma cauda comprida e proporções corporais semelhantes às atuais lontras, afirma a equipe em artigo na edição desta semana da revista científica britânica "Nature".

As proporções dos membros e dedos indicam que, também como as lontras, ela possuía membranas nas patinhas. O bicho provavelmente explorava ambientes fluviais, nadando com movimentos de remo que combinavam os membros dianteiros e os traseiros.

Segundo os paleontólogos, a descoberta indica que os ancestrais das modernas focas podem ter surgido no atual Ártico, a partir de um grupo de mamíferos terrestres cujos parentes mais próximos são os tataravós dos modernos ursos.


Fonte: G1

Eu, Macaco? Veja Como Você "Seria"...

on sábado, 11 de abril de 2009

Desde os tempos mais remotos indagamos sobre a origem dos seres vivos, incluindo nós mesmos, e durante todo esse tempo sempre tivemos nossas "respostas" nas formas mais variadas possíveis. Entre essas, a ciência nos deu a sua para a grande pergunta sobre a origem da vida, e esta veio sob a forma da TEORIA DA EVOLUÇÃO.

A evolução humana sempre foi um tema intrigante. Para os evolucionistas o homem não passa de um macaco evoluido que desceu da árvores e passou a se adaptar ao ambiente terrestre à procura de alimentos e abrigos para sua sobrevivência. Imagine com seria se você tivesse nascido há alguns milhões; provavelmente não teria este rosto bonito que Deus te deu!

Para que você tenha uma idéia de como seria na imagem de um Homo erectus, estamos disponiblizando essa oportunidade. É muito fácil!

Basta clicar em "upload your photo", escolher sua imagem [de preferência só do rosto], encaixar uma espécie de máscara que aparece (você pode diminuir, aumentar, girar, etc) clicar em "devolve" e, EURECA, ver-se de volta a alguns milhões de anos atrás na cronologia evolutiva. Não se trata de uma experiência exata, mas é muito divertido.

E aí.. preparado para a viagem no tempo? Clique aqui e seja feliz!!


As Partes Moles Também São Fossilizadas?

on quinta-feira, 9 de abril de 2009

Sim! E a prova disso é que agora os cientistas têm encontrado fósseis com 95 milhões de anos, os quais demonstram que a origem dos modernos polvos é muito anterior ao que se pensava. Estes fósseis são muito pouco frequentes, uma vez que as possibilidades de que o corpo do polvo, uma vez morto, dure o suficiente para que fossilize são muito remotas, devido às características naturais do corpo.

O polvo não possui esqueleto interno bem desenvolvido e seu corpo está composto praticamente na sua totalidade pela pele e os músculos, pelo que, quando morre se degrada rapidamente, convertendo-se numa massa gelatinosa que em poucos dias não ficará absolutamente nada, mesmo sem contar com os animais que comem os corpos mortos. E é isso o que praticamente impede a fossilização do seu corpo, e o que faz muito mais difícil as investigações evolutivas sobre os mesmos.

Um grupo de paleontólogos identificou recentemente três novas espécies de polvo (fósseis), descobertas em rochas do Cretácico no Líbano. As cinco amostras têm 95 milhões de anos, mas, surpreendentemente, preservam os seus oito tentáculos, com pegadas dos músculos e as características de ventosas. Inclusive algumas amostras apresentam os rastros da tinta e das brânquias internas. Estão, extremamente, bem conservadas. Mas o que mais surpreendeu aos cientistas foram as semelhanças que há entre estes fósseis e os exemplares modernos.

Isto empurra as origens do polvo moderno umas dezenas de milhões de anos para trás, e mesmo isto sendo cientificamente importante, tal vez o mais notável em relação a estes fósseis é que, simplesmente, existem.

Clique aqui para visualizar mais detalhes na imagem.


Fonte: Ciência às Cores

Gigantes do Passado

Como já falamos sobre o fóssil do sapo 'gigante', estaremos postando agora sobre outros fósseis de animais 'gigantes' e a importância dessas descobertas. Vamos lá!


Descoberto fóssil de pinguim 'gigante' no Peru

Pinguins "gigantes", com cerca de 1,5 m de altura e um bico de quase 18 cm de comprimento, habitavam a região onde hoje fica o Peru há mais de 40 milhões de anos. Isso mostra que as aves começaram a migrar para regiões de clima mais quentes muito antes do que os cientistas imaginavam.

Conhecidos por sua presença na Antártida, os pinguins hoje habitam muitas ilhas localizadas no hemisfério sul, algumas até próximas à Linha do Equador. Mas os cientistas acreditavam que eles só começaram a viver em regiões mais quentes há cerca de 10 milhões de anos.

Fósseis de dois tipos diferentes de pinguim - datados em 40 milhões de anos - achados no Peru mostraram que essa teoria estava errada. Um deles, o Icadyptes salasi, media cerca de 1,5 m de altura e tinha um longo bico afinado, com quase 18 cm de comprimento. O segundo fóssil descoberto no local era da espécie Perudyptes devriesi, de tamanho similar ao do atual pinguim-rei, cerca de 90 cm de altura.


Fóssil da maior serpente do mundo pode ajudar
a perceber alterações climáticas

Os cientistas que estudam os restos da maior serpente do Mundo, descobertos no Norte da Colômbia, acreditam que estes poderão trazer revelações sobre o clima e o meio ambiente em que viveu o réptil há 60 milhões de anos.

Batizada de "Titanoboa Cerrejonensis" devido ao seu tamanho e à localização da mina de carvão de Carrejón onde foi encontrada há cerca de dois anos, a gigantesca serpente tinha mais de 13 metros de comprimento e pesava 1,25 toneladas, de acordo com os paleontólogos que analisaram as suas vértebras e cujas conclusões do estudo estão publicadas na última edição da revista "Nature".


Fontes: Cultura Peruana, Curiosidades da Dra Shirley


Apreensão de Fósseis em São Paulo

A Polícia Federal apreendeu em uma feira na Praça da República, região central de São Paulo, 477 fósseis e 890 produtos feitos com borboletas mortas. A apreensão ocorreu no domingo (05 de abril de 2009) durante a Operação República.

O objetivo da ação foi reprimir o comércio ilegal de produtos fósseis de origem vegetal e animal e produtos artesanais feitos com borboletas mortas como porta-jóias, chaveiros, porta-retratos, cinzeiros, quadros e porta-chaves.

Entre os materiais fósseis apreendidos estavam trilobitas (predecessores dos insetos modernos), madeira petrificada e caracóis fossilizados. A feira na Praça da República ocorre todos os domingos. Além dos policiais federais, participaram da operação funcionários do Ibama.

Os responsáveis pelo comércio de fósseis e de produtos feitos com borboletas irão responder por crime ambiental.

Clique aqui para ampliar a imagem.

Fonte: G1

Tipos de Fossilização

on terça-feira, 7 de abril de 2009

Como já sabemos, para que a fossilização aconteça é necessário que o organismo fique rapidamente ao abrigo dos agentes de erosão, o que acontece quando este ou algumas das suas partes constituintes ou os seus restos são rapidamente cobertos por, geralmente, sedimentos.

Os tipos de fossilização são:

Moldagem: as partes duras dos organismos vão desaparecendo deixando nas rochas as suas marcas (impressões), ou seja, o organismo é destruído mas o molde persiste. Existem dois tipos principais de moldes, o externo em que a concha fica imprimida nos sedimentos sendo posteriormente removida, e o interno em que os sedimentos cobrem a concha que depois é removida ficando apenas o molde da superfície interna. Existem ainda o contra-molde que é o molde do molde externo.

Mumificação: Os restos dos organismos preservam-se total ou parcialmente, normalmente em materiais como o âmbar, o gelo, resina fóssil.

Mineralização: As partes duras dos organismos tais como ossos, conchas, desaparecem ficando minerais no lugar. São transportados em águas subterrâneas. Os troncos das árvores são bons exemplos deste tipo de fossilização.

Marcas fósseis: São pegadas, marcas de reputação ou até fezes fossilizadas.


Fonte: Nota Positiva

Fossilização: Entenda Este Processo

Os animais e vegetais podem se preservar como fósseis de diferentes maneiras. Um organismo se fossiliza como resultado de um conjunto de processos que ocorrem a partir de sua morte e seu sepultamento. Geralmente, os animais que possuem partes duras, com um esqueleto mineralizado (concha dos moluscos, por exemplo), e as partes mais resistentes dos vegetais (troncos e galhos) têm maiores chances de se preservar. Animais que não apresentam esqueleto, como os invertebrados sem concha, e as partes mais delicadas dos vegetais (flores e frutos) têm um potencial muito baixo de fossilização.

Dependendo das condições ambientais, o organismo, após sua morte, poderá se preservar de diferentes maneiras: através da moldagem, incrustação mineral, substituição das partes moles por substâncias minerais, mumificação ou congelamento. Pode também ocorrer a preservação dos registros da atividade biológica dos organismos quando vivos (Icnofósseis).

Na fossilização os compostos orgânicos que constituem o organismo morto são substituídos por outros mais estáveis nas novas condições. Estes podem ser calcite, sílica, pirite, carbono, entre outros.

Observe como ocorre.











Fontes: Fóssil, Portal das Curiosidades

Revitalização do Símbolo Do Biólogo

on sábado, 4 de abril de 2009

Em 2009 comemora-se 30 anos da regulamentação da profissão de biólogo. Uma das atividades programadas para comemorar essa data é a revitalização do Símbolo da profissão.

Sem perder a essência que faz da logo do CFBio uma marca tão forte e presente entre o Biólogo, sua revitalização pode ser percebida como uma agregação de valores.

Começando pela forma que foi utilizada como base para os elementos: o círculo. Na simbologia das formas, representa a união e perfeição, daquilo que começa e acaba em si mesmo. Assim, ele condiz com a proposta do próprio Conselho, somando e interligando valores, laços e vínculos entre os profissionais representados por essa instituição. Também representa o movimento, a atividade, reproduzindo a busca por melhores dinâmicas entre as relações dos biólogos. O azul, usado de forma mais clara no círculo, é uma cor profunda e calma, que a princípio, representa a água, mas que também passa a idéia de maturidade. O azul também é a cor da biologia.

A estrutura do DNA traz à tona um elemento sempre presente no cotidiano do profissional da área de biologia. A base de sua estrutura forma um espermatozóide, que fecundando o óvulo (círculo azul) dá origem a uma nova vida, com toda sua complexidade – a essência da profissão do biólogo.

Fator de grande importância para qualquer ser vivo, sendo a base dos estudos biológicos, a natureza é representada pelas folhas da base do círculo. Sua cor, não poderia ser outra, senão o verde, pois é a cor universal para a representação da natureza, passando a idéia de frescor, harmonia e equilíbrio.

A espiral, que se encontra dentro das folhas, é o símbolo da evolução e do progresso. O biólogo sempre deve buscar novos estudos e pesquisas que possam atualizar seus conhecimentos e acrescentar informações úteis a sua profissão. Esse elemento também possui uma interpretação mais subjetiva, podendo ser traduzido de diferentes formas, como por exemplo, a representação de um caracol ou da asa de uma borboleta, mostrando a interação do biólogo com a biodiversidade e o Planeta, na buca de sua conservação, manejo e sustentabilidade.

O símbolo traduz conceitos que envolvem o cotidiano do biólogo e também a importância da vida para esses profissionais. Ao agregar valores de união e evolução à marca CFBio, busca-se demonstrar a forma dinâmica e pró-ativa de relacionamento do Sistema CFBio / CRBios com o biólogo e a sociedade.

Eu gostei muito dessa revitalização.. e você, o que achou? Para ver a imagem em tamanho maior clique aqui.


Fonte: CRFBio 4 (Conselho Regional de Biologia 4ª Região)

Icnofóssil e Somatofóssil

Icnofósseis são fósseis de vestígios de atividade vital, ou seja, de atividade biológica de organismos do passado (do grego icnos, traço, vestígio + fóssil). São icnofósseis os fósseis (mineralizações, incarbonizações ou moldes) de pegadas, de pistas de deslocação, de marcas de dentadas, de excrementos, de ovos, de túneis e de galerias de habitação, etc.

Icnofóssil de pegada de dinossauro carnívoro (Terópode). Jurássico, Serra de Aire


Somatofósseis são fósseis de restos somáticos, isto é, de restos corpóreos ou integrantes do corpo de organismos do passado (do grego soma, somatos, corpo + fóssil). São Somatofósseis os fósseis (mineralizações, incarbonizações ou moldes) de dentes, de carapaças, de folhas, de conchas, de troncos, de ossos, etc.

Somatofóssil de concha de vieira (Pecten). Miocénico do Algarve


Fonte: Temas de Paleontologia

O Que é Um Paleontólogo

Um paleontólogo é um cientista com formação superior em Geologia (ou em Biologia, ainda que esta seja menos frequente) que estuda os fósseis para investigar como eram os organismos e os ecossistemas do passado da Terra. O paleontólogo estuda os fósseis, também, para perceber como estes se formaram e como podem ser usados para a datação relativa dos extratos rochosos em que ocorrem. Os paleontólogos são os cientistas que estudam Paleontologia.


Para se ser paleontólogo é necessário, sobretudo, ser curioso e querer saber mais sobre os animais e as plantas que povoaram a Terra há muitos milhões de anos e sobre os fósseis. Os paleontólogos são cientistas com um gosto muito especial pela Geologia e pela Biologia (pelas Ciências da Natureza em geral), uma vez que, para investigar a Vida do passado da Terra e estudar os seus fósseis, é necessário conhecer bem a geologia dos locais onde estes ocorrem e a biologia dos organismos que lhes deram origem.


Para estudar Paleontologia é necessário, antes de mais, ingressar num primeiro ciclo de Geologia. Também é possível tornar-se paleontólogo partindo de uma formação de base em Biologia.


As vantagens de ser paleontólogo são várias, bem como ter uma profissão diferente, imaginativa e estimulante. Poder estudar temas fascinantes. Descobrir fósseis com milhões de anos de idade que nunca ninguém tinha visto antes! Investigar o passado da Vida sobre a Terra. Fazer parte de equipes de investigação científica nacionais e internacionais. Trabalhar em contato com a natureza e poder viajar para sítios exóticos (desertos e florestas tropicais em todo o mundo!) para realizar trabalho de campo e recolher fósseis para estudo.


Só é paleontólogo quem quer ser paleontólogo. E querer é poder!


Fonte: Temas de Paleontologia

Pesquisadores Encontram Fóssil de Sapo Gigante

on sexta-feira, 3 de abril de 2009

Há pouco mais de um ano, paleontólogos descobriram em Madagascar um fóssil de um sapo gigante de 40,6 cm e 4,5 kg, que teria vivido há cerca de 70 milhões de anos entre os dinossauros na África e pode ser o maior animal do tipo a ter existido. O qual foi batizado com o nome científico de Beelzebufo ampigna, que quer dizer sapo diabólico ou algo parecido. Este pode ter sido o maior sapo a ter habitado a face da Terra, afirmam os paleontólogos.

O sapo, com uma couraça grossa e com dentes, pode ter chegado a devorar dinossauros recém-nascidos, segundo os cientistas, liderados pelo paleontólogo David Krause, da Universidade Stony Brook (EUA). Eles acreditam que este anfíbio pertenceu à família de sapos que hoje em dia vive na América do Sul.

"Este sapo, se tinha os mesmos costumes que os sapos da mesma família de anfíbios na América do Sul, era bastante voraz. É possível, inclusive, que tenha devorado mamíferos, rãs menores e, levando em conta seu tamanho, até alguns dinossauros", explicou Krause.

Os fóssil do sapo data do fim do período Cretáceo, entre 65 e 70 milhões de anos atrás, aproximadamente.


Fonte: Folha Online

Porque o Frango Atravessou a Rua?

Você não sabe responder essa pergunta? Não se preocupe... o pessoal aí explica...

♦ Professora do Primário: Porque o frango queria chegar ao outro lado da rua.
Criança: Porque sim.
Platão: Porque queria alcançar o Bem...
Aristóteles: Porque é da natureza do frango atravessar a rua.
Descartes: O frango pensou antes de atravessar a rua; logo, existiu!
Rousseau: O frango por natureza é bom; a sociedade é que o corrompe e o leva atravessar a rua!
Freud: A preocupação com o fato de o frango ter atravessado a rua é um sintoma de insegurança sexual.
Darwin: Ao longo dos tempos, os frangos vêm sendo selecionados de forma natural, de modo que, atualmente, a sua evolução genética fê-los dotados da capacidade de cruzar a rua!
Einstein: Se o frango atravessou a rua ou se a rua se moveu em direção ao frango, depende do ponto de vista... Tudo é relativo!
Marx: O atual estado das forças produtivas exigia uma nova classe de frangos, capazes de atravessar a rua.
Martin Luther King: Eu tive um sonho. Vi um mundo no qual todos os frangos livres podem cruzar a rua sem que sejam questionados os seus motivos. O frango sonhou!
George W. Bush: Sabemos que o frango atravessou a rua para poder dispor do seu arsenal de armas de destruição em massa! Por isso tivemos de eliminar o frango!
Cavaco Silva: Porque é que atravessou a rua, não é importante. O que o País precisa saber é que, comigo, o frango vai dispor de uma conjuntura favorável. Não colocarei entraves para o frango atravessar a rua.
José Sócrates: O meu governo foi o que construiu mais passadeiras para frangos. Quando for reeleito, vou construir galinheiros de cada lado da rua para os frangos não terem que atravessar. Cada frango terá um documento único de identificação e será avaliado e tributado de acordo com a sua falta de capacidade para atravessar a rua.
Mário Soares: Já disse ao frango para desistir de atravessar a rua! Eu é que vou atravessar! Não vou desistir porque sei que os portugueses querem que eu atravesse outra vez a rua!!!
Manuel Alegre: O frango é livre, é lindo, uma coisa assim... Com penas! Ele atravessou, atravessa e atravessará a rua, porque o vento cala a desgraça, o vento nada lhe diz!
Otávio Machado: O frango é o Bin Laden!!! Só atravessou a rua para me armadilhar. Vocês sabem do que estou a falar!!! E mais não digo, porque senão muitos frangos vão perder a cabeça!!!
Feministas: Para humilhar a franga, um gesto tipicamente machista; para tentar provar que ela jamais terá possibilidade suficiente para cruzar a rua.
Lili Canecas: Porque queria juntar-se aos outros mamíferos.

Caramba, essas declarações são fortes!
E você? O que tem a declarar?

Fonte: Humor do Melhor